A Teoria das Inteligências Múltiplas na formação dos estudantes

O conceito de Inteligências Múltiplas, elaborado por Howard Gardner, vem se popularizando nos últimos anos e sendo utilizado como guia para práticas escolares. A tese consiste em não definir a capacidade intelectual de crianças e adolescentes de uma única maneira. Gardner é um psicólogo de Harvard e sua teoria está fundamentada no livro “Estruturas da Mente: a Teoria das Inteligências Múltiplas”, publicado em 1994. Na obra, o psicólogo propõe a existência de 7 inteligências. Posteriormente, foram acrescentadas outras duas, resultando assim em 9 habilidades que podem ser desenvolvidas durante a educação. São elas: espacial, lógico-matemática, corporal-cinestésica, linguística, musical, intrapessoal, interpessoal, naturalista e existencial.

Inteligência linguística: é a habilidade de retórica e fala, compreensão de idiomas, escrita e comunicação verbal de maneira geral. Para desenvolver um vocabulário rico, são trabalhados leituras e jogos de palavras em todas as etapas da formação do aluno. Atividades de escrita, apresentação de trabalhos e organização de palestras e práticas literárias são maneiras pelas quais essa inteligência é trabalhada e desenvolvida.

Inteligência lógico-matemática: é a capacidade de solucionar problemas com raciocínio numérico ou deduções lógicas. Inclui também a habilidade de classificar, estabelecer relações de causa e efeito, deduzir e categorizar. Ainda na Educação Infantil pode ser estimulada através de jogos de adivinhação, brincadeiras de raciocínio lógico, atividades de organização e classificação e experimentos com sucata ou massinha. A partir do Ensino Fundamental, o trabalho é intensificado seguindo as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB)

Inteligência espacial: competência para processar informações tridimensionais e diferenciar linhas, espaços, cores, formas e figuras. Jogos de montar e desmontar, decoração de paredes, quebra-cabeças e labirintos costumam funcionar bem para aumentar essa destreza nos pequenos. Para os alunos do Ensino Fundamental e Médio, edição de vídeos, atividades de robótica e de manufatura digital também contribuem para o aperfeiçoamento das aptidões nessa área.

Inteligência musical: prática e facilidade para distinguir sons e formas musicais. Inclui o talento para aprender instrumentos musicais, ritmos e canções. Exercícios e brincadeiras que envolvam canções, reprodução de sons da natureza e aulas de instrumentos musicais costumam funcionar bem com alunos que têm essa inteligência aguçada. A música tem ainda o papel de difusor cultural dentro do ambiente escolar.

Inteligência corporal e cinestésica: eficiência no controle de corpo e mente. Compreende tanto a coordenação motora grossa, como no caso de esportistas e dançarinos, como a coordenação motora fina, como no caso de artistas e cirurgiões. Crianças que têm essas capacidades desenvolvidas podem ter dificuldade de ficar quietas e necessitam de estímulos corporais e atividades ao ar livre. Jogos que envolvam o movimento e a experimentação, construção de maquetes e confecção de artesanato podem fortalecer esse conhecimento.

Inteligência intrapessoal: Vocação para o autoconhecimento e para o gerenciamento emocional. Dar aos alunos ferramentas para entender e lidar com as emoções e frustrações é uma das bases para o sucesso pessoal e profissional dos estudantes. Os profissionais da educação podem trabalhar a inteligência emocional de modo transversal dentro de todas as disciplinas, à medida que a demanda pelo assunto aparece. Recentemente o Colégio Drummond promoveu um ciclo de debates sobre bullying mediado por psicólogas, por exemplo.

Inteligência interpessoal: é basicamente a habilidade de fazer e cultivar relações e parcerias. Uma das bases para o sucesso nesse quesito é a empatia, que pode ser inata ou desenvolvida ao longo da vida. Os trabalhos em grupo e as atividades cooperativas são maneiras diretas de promover esse contato entre os estudantes, que se dá naturalmente durante toda a vida escolas. No Ensino Médio do Drummond, essa inteligência é apurada através dos exercícios de gestão de conflitos e da disciplina de Liderança e Coaching, nos quais os adolescentes aprendem a dar e receber feedback, além de reconhecer os potenciais de sua equipe.

Inteligência naturalista: capacidade de conectar-se com a natureza e ser sensível às causas ambientais. Normalmente, as crianças com essa característica têm preferência por atividades ao ar livre e gostam de explorar os ambientes. Semear hortas, cuidar de animais e observar flores, folhas e pedras pode ser útil para aguçar essa habilidade e fomentar o gosto pelo conhecimento científico.

Inteligência existencial: curiosidade por questões relativas à existência e ao sentido da vida, gosto por questionar o funcionamento do mundo. A inclinação para essa inteligência em específico está muito ligada ao sistema de crenças da família, mas o hábito de questionar e querer compreender o funcionamento da natureza e da sociedade deve ser estimulado pela escola em todas es etapas do ensino, de maneira transversal em todas as disciplinas.

Todas as pessoas possuem, em maior ou menor grau, as inteligências citadas por Gardner. A escola tem a responsabilidade de desenvolver os estudantes de maneira global e estar atenta a talentos que se destaquem nas mais variadas esferas do conhecimento. As propostas pedagógicas inovadoras fazem parte do repertório do Colégio Drummond.

Fonte de pesquisa: Estruturas da Mente: a Teoria das Inteligências Múltiplas – Howard Gardner

Gostou? Compartilhe!
error20

One thought on “A Teoria das Inteligências Múltiplas na formação dos estudantes”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *