Xadrez gigante interage e empolga alunos do Colégio Drummond

A Unidade Tatuapé do Colégio Drummond inaugurou, no início deste segundo semestre, um tabuleiro gigante de xadrez. O objetivo é familiarizar os alunos com este jogo de raciocínio lógico e estratégia, bem como resgatar nestes jovens alunos, tão acostumados com o mundo virtual, o lado mais analógico da convivência humana, e maior socialização entre os próprios estudantes.

O xadrez possibilita ao jogador o desenvolvimento de inúmeras habilidades, como explica a coordenadora do Colégio Drummond – Unidade Tatuapé, Adriana Elaine Martins da Silva. “O jogo estimula o raciocínio lógico, ativa a concentração, desenvolve a tomada de decisões, aguça a memória, trabalha a tolerância, a paciência, o planejamento, além de aumentar a autoconfiança proporcionando respeito ao próximo e exigir responsabilidades”, comenta a pedagoga.

Talvez por isso o jogo tenha sido tão bem aceito pelos alunos do colégio. Não é raro, na hora do recreio vê-los brincando e jogando, ainda que eles mesmos precisem ser “as peças”, uma vez que as peças gigantes só são disponibilizadas nas horas das atividades recreativas, como nas aulas de Educação Física.

“A aceitação foi maior do que esperávamos”, comenta Adriana. “O jogo pode ser utilizado por todos os alunos, desde o maternal até a 3º série do Ensino Médio, evidentemente dentro das condições cognitivas de cada faixa etária. Ou seja, para os menores, por exemplo, eles aprendem quais são as peças, suas movimentações e funções no jogo. Tem estudo que afirma que o xadrez melhora em até 15% o raciocínio do jogador em matérias de exatas, justamente pelo raciocínio lógico que ele desenvolve”, pontua.

Resgate

Provavelmente um dos pontos mais interessantes a ser observado nesta inovação que o Drummond traz para seus alunos, seja justamente no resgate ao sistema analógico de convivência, e em especial a estes jovens tão habituados ao universo online, em especial, no que se diz respeito a jogos e interatividades.

“Percebemos que o tabuleiro gigante de xadrez melhorou a convivência entre os alunos, em especial no recreio, e que, inclusive, eles mesmos passaram a descobrir outras formas de utilizar o tabuleiro, como jogando amarelinha e dama, por exemplos”, complementa, Adriana. “Imaginávamos que os alunos ficariam surpresos, mas eles ficaram eufóricos, e quando viram as peças gigantes que são usadas no jogo, demonstraram ainda mais interesse. A socialização que se desenvolve com o jogo é um fator extremamente importante”.